sexta-feira, 24 de agosto de 2012

As Marcas



Ninguém passa nas nossas vidas sem deixar sua marca. Todos nós somos marcados pela personalidade de alguém, seja de forma direta, pelo contato diário, pelas conversas corriqueiras, os bons dias apressados, os desentendimentos e as pequenas confraternizações; ou pelo contato indireto, a influência de alguém da mídia, ideólogos, pessoas distantes à nossa realidade material...
Seja de uma forma ou de outra, essas pessoas cumprem o papel de atuar no teatro da vida, deixando em nós sua impressão digital. É interessante observar que isso é cíclico. Nós também estamos deixando nossas marcas na vida de outrem. Esse aspecto da vida em sociedade é sublime, pois nos formamos como seres humanos dotados de qualidade, não de forma separada, mas em construção comunitária. Eu me construo, e comigo, construo o mundo matizando as cores que permeiam nossa realidade.
A chegada do fim do ano é a maior festa de nossas culturas, seja ela ocidental ou não. O “réveillon” é um ato celebrativo onde mais um ciclo se completa, o nosso trabalho de marcar vidas completa mais uma etapa. Para uns, será a conclusão de um trabalho que durou a vida inteira, e para outros mais, será o começo de um trabalho cansativo, duradouro e gratificante. Nessa nossa labuta, marcamos uns com mais intensidade e outros com menos, e assim, sofremos pelas duas vias, mas esse sofrer nem sempre é ruim, nós é que não nos acostumamos com a face branda do sofrimento deixando perpassar a sua face negra.
Seja como for, devemos apenas viver e deixar nossas marcas por aqui, pois quem não está fazendo isso, simplesmente não vive, porque manchar o quadro da existência com os nossos dedos para misturar as cores  do cotidiano é a coisa mais produtiva que podemos fazer nesse estágio evolutivo para a outra margem, por nós não conhecida. E até lá: mais um ano novo, mais um “réveillon”, mas uma etapa concluída, porém, não conclusa.

Texto produzido na véspera do final de 2011.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Que o teu sim seja sim; e o teu não seja não. (Mt 5,35)