quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

SHEKHINAH




Oh! invade, eu me permito,
fogo das delícias celestes.
Eu caio, eu me debruço,
eu rasgo minha vestes
diante da Tua shekhinah.

Oh! invade, eu me permito,
escancaro as minhas portas.
Contigo nada mais importa,
Tu que és o doce alívio,
tu que és o Belíssimo Esposo,
o êxtase da santidade.

Oh! invade, eu me permito,
mergulho, Santo Espírito,
nas labaredas da Tua extensão.
Me possui com sob o anseio
de me tomar-me de novo,
em meu ouvido ter Teu sopro,
em teus braços, nesse casamento.

Seja bem vindo Meu Amado,
à Tua casa que é só tua.
Além dos mares, além da sorte,
na constelação do firmamento
se consome esta alma em paixão.
E na tua shekhinah, a minha casa,
é um templo devoto para Tua adoração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Que o teu sim seja sim; e o teu não seja não. (Mt 5,35)